feira moderna

24 setembro, 2005

feira moderna


Tua cor é o que eles olham, velha
chaga

Teu sorriso é o que eles temem,
medo, medo

Feira moderna, o convite
sensual

Oh! telefonista, a palavra já
morreu

Meu coração é novo
Meu coração é novo
E eu nem li o jornal
Nessa caverna, o convite é sempre
igual

Oh! telefonista, se a distância já
morreu

Indepedência ou morte
Descansa em berço
forte

A paz na terra amém